July 01, 2020

PMI publica ‘Relatório Integrado 2019’ e destaca Tabaqueira pelas suas práticas de sustentabilidade

01.07
Este documento avalia o desempenho ambiental, social e de governança do Grupo PMI, integrando as práticas de sustentabilidade com o desempenho financeiro da organização. Tabaqueira é case study.

A Philip Morris International (PMI), de que a Tabaqueira é subsidiária, acaba de publicar o seu primeiro Relatório Integrado, documento que reporta a visão de sustentabilidade abrangente do Grupo e que dá conta do desempenho ambiental, social e de governança (da sigla em inglês, ESG) da Organização no seu percurso rumo a um futuro sem fumo – e que ambiciona, até 2025, transferir mais de 40 milhões de fumadores adultos para produtos alternativos sem combustão (metade destes provenientes de países que não fazem parte da OCDE).

Esta primeira edição do Relatório Integrado da PMI, relativo a 2019, aponta a portuguesa Tabaqueira como um case study nas mais diversas práticas de desempenho ambiental, social e de governança, sublinhando, por exemplo, o sucesso que a empresa teve na implementação de novos produtos de tabaco aquecido sem combustão no mercado português, nomeadamente o IQOS. São já cerca de 200 mil os portugueses que trocaram os cigarros tradicionais por outras alternativas inovadoras que permitem consumir nicotina de forma menos nociva.

As diversas campanhas de sensibilização ambiental promovidas pela Tabaqueira e que procuram alertar e encorajar os consumidores a eliminarem devidamente os filtros de cigarros em cinzeiros e caixotes do lixo, em parceria com municípios portugueses e eventos de grande dimensão, como a Regata de Portugal ou festivais de verão, também merecem nota positiva por parte da multinacional PMI. 

O documento sublinha ainda as boas práticas da Tabaqueira, um dos principais centros de produção da PMI da Europa, no que à gestão sustentável diz respeito, lembrando que, em 2019, foi a primeira fábrica em Portugal a garantir a certificação Alliance for Water Stewardship (AWS), que reconhece a gestão sustentável de água.

Adicionalmente, reforça o importante trabalho que a organização portuguesa tem vindo a fazer na área da segurança do trabalho. A eliminação de comportamentos de risco entre os seus trabalhadores fabris é uma das prioridades para a Tabaqueira que, entre outras ações, tem investido em iniciativas de sensibilização e programas de mudança comportamental.

Miguel Matos, Diretor-Geral da Tabaqueira, afirma: “Uma Empresa de Tabaco pode mesmo ser sustentável! E reduzir os efeitos nocivos dos produtos de tabaco é o principal contributo que podemos dar para um futuro mais sustentável. Na Tabaqueira, procuramos ter uma visão integrada das práticas de sustentabilidade ao longo de toda a nossa cadeia de valor, uma vez que só assim acreditamos ser possível avançar em direção a um futuro sem fumo. Ao longo dos últimos anos, temos procurado ter uma visão de sustentabilidade 360º para toda a companhia, e o facto de a Tabaqueira ser apontada como um case study dentro do universo PMI demonstra o nosso empenho e prova que estamos no caminho certo. Por isso, a prioridade que temos dado a ações de sensibilização ambiental, a programas de segurança do trabalho na nossa fábrica e à gestão eficiente de recursos, como a água.
Outra vertente não menos importante é a comercialização responsável dos nossos produtos, onde destaco claramente todas as iniciativas de prevenção do acesso dos jovens a produtos de tabaco ou nicotina, bem como um rigoroso e abrangente código de conduta que é seguido por todos os colaboradores.
Por último não posso deixar de destacar que a sustentabilidade também é diversidade e inclusão. Neste âmbito realço que fomos a primeira empresa em Portugal a ser certificada pela igualdade salarial entre homens e mulheres
.”

Relatório Integrado permite alinhar iniciativas de sustentabilidade com desempenho financeiro

O Relatório Integrado 2019 da PMI tem como objetivo demonstrar o papel da estratégia, governança e desempenho organizacionais na criação de valor no curto, médio e longo prazos. Adicionalmente, estabelece novas e ambiciosas metas para 2025, que complementam as aspirações prévias da companhia. O relatório dá também destaque a questões prioritárias, como os impactos na saúde dos produtos da PMI, descrevendo a forma como a empresa está a reduzir os efeitos nocivos causados pelo consumo de tabaco, através da substituição de produtos de combustão por alternativas de menor risco, cientificamente consubstanciadas.

A evolução do Relatório de Sustentabilidade para o Relatório Integrado permite à PMI ajudar os investidores a fazerem a ligação entre as diferentes iniciativas de sustentabilidade orientadas para o produto (e que são o centro da estratégia ambiental, social e de governança) e o desempenho do grupo, ao longo do tempo. Este documento também possibilita aos diferentes stakeholders melhor avaliarem a progressão da companhia na prossecução do seu propósito. Na Declaração de Propósito adotada pelo Conselho de Administração da PMI, publicada no início do ano e no Relatório Integrado.

André Calantzopoulos, CEO do Grupo PMI, afirma: “A clareza no seu propósito é essencial para o alinhamento interno de qualquer empresa. Desde que, em 2016, anunciámos nosso compromisso de avançarmos em direção a um futuro sem fumo, fizemos enormes progressos em termos de capacitação organizacional, integrando a sustentabilidade em todos os aspetos do processo de transformação da empresa, e no próprio negócio.” O responsável da PMI acrescenta: “A Declaração de Propósito da PMI reafirma o nosso compromisso de construir um futuro sem fumo em benefício das pessoas que, de outra forma, continuariam a fumar e, portanto, em benefício da saúde pública global. É claro para nós, na PMI, que o impacto mais positivo que a nossa empresa pode ter na sociedade é substituir os cigarros por alternativas menos prejudiciais; tal objetivo está no centro da nossa estratégia corporativa e está no topo de nossas prioridades de sustentabilidade, ao mesmo tempo que estamos a progredir bem em todas as outras.

Este relatório demonstra como a PMI está a concentrar os seus recursos no desenvolvimento cientificamente consubstanciado e na comercialização responsável de produtos sem fumo, que são uma alternativa menos nociva de consumo de nicotina, com o objetivo de substituir a 100% e o mais rapidamente possível os cigarros tradicionais. A organização acredita que, com os incentivos regulatórios apropriados e o apoio da sociedade civil, o consumo de cigarros pode acabar em muitos países nos próximos 10 a 15 anos.

As principais conclusões do ‘Relatório Integrado 2019’ da PMI
Neste novo relatório, a PMI expande o conjunto de Indicadores de Desempenho que foram lançados, em 2016, para servirem de métricas ao processo de transformação organizacional rumo a um mundo livre de cigarros. Nesta edição, relativa a 2019, destaca-se:

• A PMI continuou a transferir recursos significativos na prossecução de um futuro sem fumo, com 98% do total das despesas em Investigação & Desenvolvimento e 71% das despesas da área comercial, em 2019, a serem orientadas para os produtos sem combustão.

• O volume de expedição de produtos sem combustão aumentou para aproximadamente 60 mil milhões de unidades, quando foram apenas 7,7 mil milhões em 2016; em 2025, o objetivo é chegar aos 250 mil milhões de unidades. Os produtos de combustão da PMI registaram uma redução no volume de expedição de 732 mil milhões de unidades, em 2019, depois de terem sido expedidas 845 mil milhões de unidades em 2016, o que reflete, em parte, a transferência que os fumadores adultos estão a fazer para alternativas livres de fumo.

• Desde que anunciou a sua nova visão para o negócio, o Grupo retirou do mercado mais de 600 referências de cigarros em todo o mundo, ao mesmo tempo que reforçou significativamente o seu portefólio de produtos de tabaco aquecido em mais de 400 referências.

• No final de 2019, as estimativas apontavam para 9,7 milhões de utilizadores em todo o mundo que deixaram de fumar e escolheram produtos de tabaco aquecido sem combustão IQOS, comparando com 6,6 milhões de indivíduos observados em 2016. A visão da PMI promove um futuro sem fumo global e inclusivo, procurando dar acesso a melhores alternativas a todos os fumadores, em todo o mundo. Aproximadamente metade das vendas globais do Grupo são registadas em países que não pertencem à OCDE. Por isso, ambicionamos, até 2025, possibilitar a 20 milhões de fumadores provenientes destes países que façam esta transição para produtos sem combustão – metade da meta que nos propomos atingir para esse ano, em que pretendemos chegar a mais 40 milhões de utilizadores, em termos globais.

Relativamente às práticas ambientais, sociais e de governança da PMI, o relatório evidencia:

• Em 2019, a PMI implementou um amplo e crucial plano de revisão das atividades comerciais relacionadas com o marketing de produto e práticas de vendas. As principais conclusões do estudo foram publicadas em dezembro de 2019 no relatório Práticas de Comercialização Responsáveis, disponível no site pmi.com. Até ao final de 2020, o Grupo pretende que estejam implementados programas de prevenção de acesso de jovens em mercados que representam mais 90% do volume total de vendas da PMI; em 2023, a empresa pretende que 100% do seu portefólio de equipamentos eletrónicos sem fumo estejam equipados com tecnologia de verificação de idade.

• Durante o ano passado, a companhia continuou a avaliar e a mitigar riscos e impactos ambientais ao longo de toda a sua cadeia de valor, incluindo uma redução absoluta de 42% na emissão de CO2 (escopo 1+2+3), quando comparado com a base em 2010. 72% da eletricidade utilizada e comprada pelas fábricas da PMI foram provenientes de fontes de energia renováveis; a PMI comprometeu-se, até 2030, a alcançar a neutralidade carbónica nas suas operações diretas (escopo 1+2) e, até 2050, em toda a cadeia de valor da empresa (escopo 1+2+3).

• O Grupo PMI continuou a focar-se no bem-estar das suas comunidades de produtores de tabaco: em 2019, não foi registado qualquer incidente relacionado com práticas de trabalho infantil em mais de 99% das mais de 300 mil explorações de tabaco que monitorizamos. A empresa pretende, até 2025, ter ‘zero’ trabalho infantil na sua cadeia de aprovisionamento, inclusive garantindo que 100% dos seus produtores de tabaco conseguem ter um rendimento de subsistência. 

Huub Savelkouls, Chief Sustainability Officer do Grupo, refere: “O nosso Relatório Integrado tem como objetivo dar uma visão abrangente daquilo que é a PMI, combinado com um conjunto holístico de métricas que vão além das nossas divulgações financeiras, cobrindo o nosso processo de transformação de negócio, bem como os temas ambientais, sociais e de governança. Apoiamos e procuramos alinhar-nos aos padrões de divulgação GRI, SASB e TCFD, permitindo que todos os stakeholders possam ter a nossa estratégia e desempenho como referência.


Sobre a Philip Morris International 

A Philip Morris International (PMI) está a liderar uma transformação na indústria do tabaco com o objetivo de criar um futuro sem fumo por via da substituição dos cigarros por produtos sem fumo para benefício dos adultos que, de outra forma, continuariam a fumar, da sociedade, da empresa e dos seus acionistas. A PMI é a principal empresa internacional de fabrico e comercialização de tabaco, em particular, de cigarros, de produtos sem fumo e respetivos dispositivos eletrónicos e acessórios, bem como de outros produtos que contêm nicotina em mercados fora dos EUA. Neste país, o grupo Altria, Inc. comercializa, sob licença da PMI, uma versão da sua Plataforma 1 (sob a designação comercial IQOS) e os respetivos consumíveis autorizados pela Agência Americana para a Segurança Alimentar e do Medicamento (FDA). A PMI está a construir um futuro assente numa nova categoria de produtos sem fumo, que embora não sejam isentos de risco, são uma escolha muito melhor do que continuar a fumar. Através da aplicação de competências multidisciplinares ao desenvolvimento de produtos, de instalações de ponta e de substanciação científica, a PMI procura garantir que os seus produtos sem fumo vão ao encontro das preferências dos consumidores adultos de acordo com requisitos normativos rigorosos. O portefólio de produtos sem fumo da PMI inclui produtos de tabaco aquecido sem combustão e produtos de vapor com nicotina. Segundo as estimativas da PMI, a 31 de março de 2020, aproximadamente 10,6 milhões de fumadores adultos em todo o mundo já teriam parado de fumar e mudado para o produto sem combustão da PMI, IQOS, disponível para comercialização em 53 mercados. Para obter mais informações, consulte www.pmi.com e www.pmiscience.com.


Sobre a Tabaqueira 

Fundada em 1927 e desde 1997 subsidiária da Philip Morris International (PMI) em Portugal, a Tabaqueira é a maior empresa do setor no país e atualmente um dos principais centros de produção e sede de vários Centros de Excelência da PMI na Europa e a nível global (incluindo a sede da PMI Leaf que suporta as boas práticas agrícolas na Europa, Médio-Oriente e África). Localizada em Sintra, emprega mais de 900 trabalhadores e, em 2019, exportou mais de 80% da sua produção para 17 países (aproximadamente 600 milhões de Euros), encontrando-se o Grupo Tabaqueira/PMI entre os 10 maiores exportadores nacionais. O compromisso da Tabaqueira para com a sustentabilidade é transversal a toda a sua atividade, procurando minimizar as externalidades negativas associadas aos seus produtos, operações e cadeia de valor. Para mais informação, consulte www.tabaqueira.pt.